Se você está lendo esse post direto, aconselho ler o anterior, do mesmo dia, para entender o que está acontencendo! Leia aqui: http://marcellocavalcanti.com.br/patagonia-dia-4-entre-decepcoes-e-alegrias-lago-del-desierto-e-mirador-de-los-condoresaguilas/

Mas, resumidamente, esperei o dia todo para ver a montanha do Fitz Roy, fechada por nuvens , e ela resolveu dar as caras no pôr do Sol!

Eu já estava descendo a trilha do Mirador de Los Condores, cheio de fome, quando a montanha saiu de tras de uma névoa que insistiu em cobri-la o dia todo. Era a senha q eu precisava pra ficar na montanha. Armei o equipamento e comecei a fotografar a mais bela montanha que eu já vi ao vivo, na vida. Usei o fitro Big Stopper da Lee Filters para dar aquela sensação de “seda” nas nuvens, obrigando a câmera a trabalhar em baixissima velocidade (4 minutos), mas o resultado não foi o esperado; apesar de estarem se movendo, as nuvens não me proporcionaram aquele espetáculo de imagem típico quando usamos uma velocidade tão baixa. Tudo bem bola pra frente! Em compensação, uma linda lua minguante apareceu no horizonte e pude enquadrá-la na composição. Nesta parte do mundo, diferentemente da região da linha do Equador, os fenômenos no céu demoram mais, como nascer do Sol, por do Sol, lua, etc. Portanto, ainda tive tempo de descer a trilha – correndo é verdade – e ir até a estrada, para clicar a lua ainda mais dentro da composição. Confira no video como foi.

No fim, o céu começou a abrir totalmente, com as estrelas explodindo no céu. Era, novamente, a senha q eu precisava. Corri na cidade para jantar um hamburger – péssimo! – e fui recarregar as baterias das câmeras – e a minha também – e dormir um pouco pois de madrugada, estarei acordando para mais uma tentativa de astrofotografia! Confira no próximo post!

Dicas, custos e etc

Jantar
(Hamburger e cerveja) AR$ 350